Rádio Panorama FM 87,9

LATEST NEWS

Prefeitura de Lauro de Freitas reforça campanha de arrecadação de alimentos


Responsável por garantir a segurança alimentar de famílias vinculadas a entidades socioassistenciais e pessoas em situação de vulnerabilidade social cadastradas no Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) e no Centro de Referência de Assistência Social (CREAS), o Banco de Alimentos de Lauro de Freitas reforça a importância da campanha de arrecadação de itens alimentícios. As doações ocorrem diariamente e ajudam a garantir a alimentação de mais de 1.500 famílias, todos os meses.

O equipamento atua há 13 anos na promoção da Segurança Alimentar e Nutricional (SAN), sendo de extrema importância durante a pandemia, que evidenciou as desigualdades sociais, conforme comentou o secretário de Desenvolvimento Social e Cidadania, Tito Coelho.

“Convocamos empresários e a sociedade civil no geral para que participem desse momento, nos ajudem a ajudar famílias e instituições que assistem pessoas em situação de vulnerabilidade. Se todos dermos as mãos, toda a sociedade ganha”, afirmou.



Nesta segunda-feira (26), o Banco de Alimentos estava abastecido com 1.655 Kg de hortifrúti e 1.980 kg de alimentos secos. Interessados em contribuir podem entregar os itens de segunda a sexta, das 8h às 14h, na sede da instituição localizada na Rua Euvaldo Santos Leite, s/n, ao lado do Restaurante Popular.

O Banco de Alimentos também atua com a entrega programada. Basta entrar em contato com a instituição através do telefone 071 3288-8646 e agendar a coleta dos itens. O local é administrado pelo Departamento de Segurança Alimentar e Nutricional da Semdesc.

Banco de Alimentos

Inaugurado em 2007, o Banco de Alimentos de Lauro de Freitas já doou mais de 530 toneladas de alimentos. O equipamento, que conta com mais de 21 instituições cadastradas, ainda presta educação alimentar e nutricional para as entidades vinculadas.




Paulo Gustavo não apresenta ‘complicações relevantes’ no estado de saúde há uma semana

Internado há um mês e meio, na UTI do hospital Copa Star, em Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro, Paulo Gustavo tem tido oscilações no estado de saúde. O ator e comediante de 43 anos está em estado grave por causa de complicações geradas pela covid-19.
No entanto, a equipe médica demonstra otimismo ao divulgar o novo boletim, quando afimar que Paulo Gustavo não demonstra “complicações relevantes” há uma semana. A ausência de complicações e o surgimento de evidências de melhora na função pulmonar de Paulo “aumenta as nossas esperanças na boa recuperação do paciente”, informa.
Conforme boletim, ele tem demonstrado sinais discretos de interação com o meio, apesar de sedado. Por outro lado, foi detectada uma nova pneumonia bacteriana neste domingo, “que já está sendo eficientemente tratada”.
Apesar de alguns sinais de otimismo, o boletim médico do ator lembra que “como em outros casos graves, ocorrem oscilações no estado geral, demandando reajustes nas medicações, na ventilação mecânica e na ECMO, o que ainda determina a vigilância constante da equipe multiprofissional”.
Por fim, a família “agradece muito todo o carinho e orações e pede que continuem a enviar boas energias para a recuperação de todos os que se encontram na luta contra o vírus”.

Tarifas do metrô e ônibus metropolitanos serão reajustadas nesta terça-feira

Nesta terça-feira (27), os valores das passagens do metrô e das linhas rodoviárias metropolitanas sofrerão reajustes. A tarifa do metrô, cujo último aumento ocorreu em março do ano passado, será reajustada em 5,1%, passando a custar R$ 4,10. A tarifa de integração do metrô com os ônibus, seguindo a regra de cobrar o maior valor dos sistemas integrados, passará a ser R$ 4,40, mesmo preço cobrado pelos ônibus do Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus (STCO), e do Sistema de Transporte Especial Complementar (STEC).


Já as linhas de ônibus metropolitanos, que são regulamentadas pela Agerba, terão reajuste conforme a área de circulação. As tarifas das linhas que compõem o Anel 1, ônibus que atendem as cidades de Simões Filho e Lauro de Freitas, passam de R$ 4,10 para R$ 4,30. O valor cobrado nas linhas do Anel 2, que atendem Camaçari e Candeias, passa de R$ 5,80 para R$ 6,10, e as tarifas das linhas que atendem o Anel 3, Dias D’Ávila, Mata de São João, São Sebastião do Passé, Madre de Deus, saem de R$ 8,10 e vão para R$ 8,60. De acordo com a Agerba, esse reajuste é concedido anualmente com base na correção de um conjunto de índices, a exemplo da variação do diesel, IPCA e INPC, que neste ano é de 5,85%.

Anvisa rejeita importação da vacina russa Sputnik V

Os cinco diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) rejeitaram, por unanimidade, a importação e o uso da vacina russa Sputnik V pelo Brasil. A decisão foi tomada na noite desta segunda-feira (26). O imunizante é produzido pelo Instituto Gamaleya, da Rússia. Os diretores do órgão se reuniram, de forma extraordinária, para avaliar os pedidos de nove estados para a aquisição da vacina.


O diretor da Anvisa, Alex Machado Campos, que é o relator do pedido, considerou que o imunizante pode trazer riscos à saúde. Além disso, foram apontadas falhas e pendências na documentação apresentada pelo fabricante. Ele se baseou em pareceres técnicos de três gerências da Anvisa, que fizeram uma apresentação no início da reunião.
“Para os pleitos ora em deliberação, o relatório técnico da avaliação da autoridade sanitária ainda não foi apresentado, os aspectos lacunosos não foram supridos, conforme as apresentações técnicas. Portanto, diante de todo o exposto, verifica-se que os pleitos em análise não atendem, neste momento, às disposições da Lei 14.124 e da Resolução da Diretoria Colegiada 476, de 2021, razão pela qual eu voto pela não autorização dos pedidos de importação e distribuição da vacina Sputnik V solicitados pelos estados que já relacionamos”, afirmou o diretor-relator. O voto do relator foi seguido pelos outros relatores da agência.
A deliberação foi marcada dentro do prazo estipulado pela Lei n º 14.124/21, e de acordo com a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski, que determinou a análise da questão dentro do prazo de 30 dias. Caso não houvesse essa análise por parte da Anvisa, a vacina poderia ser importada.
Os estados que tiveram seus pedidos avaliados pela Anvisa foram: Bahia, Acre, Rio Grande do Norte, Maranhão, Mato Grosso, Piauí, Ceará, Sergipe e Pernambuco. Além desses, também estão com pedidos pendentes de avaliação, ainda dentro do prazo, os estados de Rondônia, Sergipe, Tocantins, Amapá e Pará, e os municípios de Niterói (RJ) e Maricá (RJ). Ao todo, esses pedidos somam 66 milhões de doses, que poderiam vacinar cerca de 33 milhões de pessoas, por meio de duas doses.
Antes da votação dos diretores, gerentes de três departamentos da Anvisa apresentaram seus pareceres técnicos contra a compra da Sputnik V. Os relatórios foram incorporados ao voto do diretor-relator, Alex Machado Campos.