Rádio Panorama FM 87,9

LATEST NEWS

Prefeitura de Lauro de Freitas realiza barreira sanitária em todas as USFs nesta sexta-feira (21); município tem aumento de casos ativos


Na manhã desta sexta-feira (21), das 8h às 12h, a Secretaria Municipal de Saúde (SESA) de Lauro de Freitas, vai realizar barreiras sanitárias em todas as Unidades de Saúde da Família (USFs) do município, para realização de avaliação médica, testagem rápida para detecção da Covid-19 e orientações à população sobre a doença. O atendimento será realizado mediante a apresentação de documento oficial com foto, comprovante de residência e cartão do SUS.

A barreira sanitária faz parte das ações realizadas pela administração municipal para intensificar o controle da pandemia do novo coronavírus, que já causou a morte de 525 pessoas no município. Lauro de Freitas contabiliza atualmente o número de 314 casos ativos para a doença, número que aumentou significativamente nos últimos 30 dias, conforme têm ocorrido na Bahia e em todo o Brasil.

Além das medidas para evitar a proliferação do coronavírus, Lauro de Freitas avança na vacinação contra a Covid-19. Mais de 183 mil pessoas já receberam a 1ª dose de alguma das vacinas disponibilizadas pelo Plano Nacional de Imunização. O número de pessoas imunizadas com a 2ª dose já chegou à marca superior a 154 mil, e mais de 50 mil já receberam a 3ª dose.

fonte: Prefeitura de Lauro de Freitas

Com direito a personagem de anime, mais de 500 crianças já foram imunizadas contra a Covid-19 em Lauro de Freitas


Com a bandana do personagem da série de mangá ‘Naruto’ na cabeça, o pequeno André Amaral, de 10 anos de idade, roubou a cena durante a vacinação contra a Covid-19 nesta quarta-feira (19) em Lauro de Freitas. Acompanhado da avó, Nilda Amaral, o garoto disse que o ninja o ajudaria a ter mais coragem na hora da agulhada. “Não tenho medo e vou me proteger contra a doença”, falou corajoso mostrando o braço. A vacinação infantil contra a Covid-19 iniciou no último domingo (16), em Lauro de Freitas. Até o momento, mais de 500 crianças com idade entre 5 e 11 anos foram vacinadas.

Hoje foram convocadas crianças com comorbidades com idade entre 5 e 11 anos e sem comorbidades na faixa etária de 11 anos, e 10 anos com iniciais de A a C. A estratégia para imunizar os miudinhos destinou a quadra do Colégio Municipal Dois de julho, na Itinga, e salas da faculdade Unime, no Centro, para aplicar as doses que protegem contra as formas graves da doença. Aguardando a vez para imunizar seu filho, Nina Paula, mãe do pequeno Matheus Candemil, de 11 anos, elogiou a organização para aplicar as doses. “Tudo bem pensado, sem filas e sem longas esperas. Além disso, a segurança em ter profissionais habilitados e capacitados para imunizar os nossos filhos”, elogiou.

Do lado de fora dos equipamentos, uma ambulância de suporte básico fica estacionada de prontidão caso ocorra alguma intercorrência. A enfermeira Débora Marques explica quais os cuidados, caso a criança sinta dores no corpo ou local da aplicação da dose. “Compressa de água gelada e analgésico habitual”, frisa. Não é recomendado a aplicação da vacina em crianças que estejam apresentando sintomas gripais, quadros febris ou que tenham tomado outra vacina num período inferior a 15 dias.

Cadastro

No site da prefeitura – www.laurodefreitas.ba.gov.br – o cadastro para vacinação de crianças com idades entre 5 e 11 anos, segue ativo até as 17h de sexta-feira (21). Pais ou responsáveis devem preencher o questionário com dados da criança como nome completo, data de nascimento e CPF.




fonte: Prefeitura de Lauro de Freitas

Crianças quilombolas são vacinadas contra a Covid-19 em Lauro de Freitas


Ao som do Trem da Alegria, as crianças do Quilombo Quingoma em Lauro de Freitas, com idade entre cinco e 11 anos, receberam, nesta segunda-feira (17), a 1ª dose da vacina que protege contra a Covid-19. Palhaços e bolas coloridas enfeitaram a sede do Rotary Clube e deram o tom lúdico de descontração para espantar o medo da agulha e encorajar os pequenos heróis a se imunizarem contra a doença.

A prefeita Moema Gramacho acompanhou o processo de perto. Atenciosa, a gestora conversou com os pais e acalentou as crianças. “Nós estamos seguindo a orientação do Ministério da Saúde e vacinando os pequenos de acordo com as prioridades. Ontem foram imunizadas crianças de 11 anos com comorbidades, temos quilombolas e ainda os indígenas. Seguiremos estes critérios e por idade de forma decrescente”, explicou.

Dona Mirian Silva chegou cedo ao local de vacinação. A dona de casa é mãe de Mariana Santos, de 11 anos, e Davi Santos, de 9 anos. “Esse momento foi muito esperado por nós. Eu temia muito pela vida de meus filhos, já que estou vacinada e eles ainda não estavam. Agora me sinto mais aliviada”, contou.

Sensação semelhante teve Nivaldo Reis, ele conta que no começo tinha medo da vacina, mas percebeu a eficácia com a redução das mortes pela Covid-19. “A vacina é segura e salva vidas, hoje trouxe meus filhos porque confio na ciência”, falou ele que é pai de Poliana da Silva de 10 anos.

Atencioso com todos que aguardavam para vacinar seus filhos, o secretário municipal de Saúde, Augusto César Pereira, falou sobre a importância de todas as crianças serem protegidas. “Hoje, Lauro de Freitas tem 173 mil pessoas acima de 12 anos vacinadas com, pelo menos, a 1ª dose. É importante continuarmos nossa luta e vacinarmos nossas crianças só deste modo venceremos o coronavírus”, frisou.



Estratégia para vacinar as crianças é especial

Lauro de Freitas segue à risca as recomendações para imunizar os pequenos de cinco a onze anos com segurança. Para isso, o município separou as salas de vacinação destinando locais específicos para proteger os pequenos das aglomerações que podem levar a maior facilidade de contaminação pelo coronavírus.

Após receber a dose que protege contra a doença, os pequenos permanecem no espaço por vinte minutos em observação. A técnica de enfermagem, Sheila Andrade, explica que o protocolo de segurança tem o objetivo de garantir o bem-estar dos pequenos. “Além disso, nós temos um cuidado especial no trato com os miudinhos. Se eles estão assustados nós brincamos, oferecemos um pirulito para acalmar e só então fazemos a vacina. Tudo é feito com muita humanização e amor”, destaca ela informando que dois médicos clínicos ficam dispostos no local para qualquer eventualidade.

Vacinação infantil desta terça-feira (18)

As doses pediátricas da Pfizer continuam sendo aplicadas em Lauro de Freitas nesta terça-feira (18), para crianças de 11 anos sem comorbidades, com nomes iniciados nas letras de A a M, e para crianças com comorbidades de cinco a 11 anos, ambos cadastrados no site da Prefeitura Municipal. A vacinação infantil será realizada na faculdade Unime, das 8h às 12h.

Para receber a proteção, pais ou responsáveis legais devem apresentar formulário de autorização para vacinação de crianças, identificação com foto, CPF ou cartão do SUS, comprovante de residência e identificação com foto do responsável. O formulário pode ser acessado e impresso pelo site da prefeitura pelo endereço: www.laurodefreitas.ba.gov.br.


fonte: Prefeitura de Lauro de Freitas

CV contra CV: integrantes da mesma facção em guerra matam jovens no IAPI

Um rapaz foi morto no início da tarde desta segunda-feira (17/01), no bairro do IAPI, em Salvador. O crime aconteceu por volta das 12h, na localidade do Brongo.


De acordo com um morador em contato com o Informe Baiano, a vítima foi realizar uma compra em um mercadinho quando acabou sequestrada por traficantes e atingida por mais de 30 tiros. O jovem, que aparentava ter menos de 21 anos, morreu no local.
“Tiraram fotos dele antes de morrer, torturaram e depois mataram. Tá uma guerra entre o tal do ‘Macaco’ que é o dono do ‘Murão’ e ‘Seu Pena’ da ‘Floresta’. Os dois são do Comando Vermelho e agora o negócio tá daquele jeito. Tiros todos os dias”, relatou a fonte.
“Na segunda passada teve outra morte. Só que foi ao contrário. Os caras do ‘Murão’ invadiram a ‘Floresta’ de tarde e mataram um novato. Aí agora foram os caras da ‘Floresta’ que viram o cara do ‘Murão’ no ‘Brongo’ e fizeram essa covardia”, explicou o morador.
O caso deverá ser investigada pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).
Nota da Polícia Militar
“De acordo com informações da 37ª CIPM, por volta de 11h50 desta segunda-feira (17), o Cicom informou disparos de arma de fogo na localidade conhecida como Brongo, no bairro do IAPI. No local, as guarnições encontraram um homem ao solo e sem sinais vitais. Os policiais isolaram a área e acionaram o Departamento de Polícia Técnica (DPT) para remoção do corpo e realização da perícia. A Polícia Civil investiga o caso”.

fonte: informe biano

Saúde antecipa entrega de terceiro lote de vacinas pediátricas

O Ministério da Saúde divulgou nesta segunda-feira (17) que antecipou a data da chegada do terceiro lote das vacinas pediátricas. Inicialmente os imunizantes da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos estavam previstos para chegar no dia 27, mas a data da chegada foi antecipada para o dia 24 de janeiro.

Esta será a terceira entrega de vacinas pediátricas neste mês. As duas primeiras remessas totalizaram 2,4 milhões de doses e, segundo o ministério, estão em processo de distribuição para os estados e para o Distrito Federal.
O lote mais recente, com 1,2 milhão de doses, chegou no Brasil nesse domingo (16). Após a chegada, as doses são encaminhadas para o centro de distribuição do Ministério da Saúde em Guarulhos (SP) e enviados para os estados, que repassam aos municípios. A expectativa é que esse lote seja distribuído até quarta-feira (19) para as unidades da Federação. A primeira remessa chegou no dia 13 de janeiro.
A previsão da pasta é que o Brasil receba 4,3 milhões de doses em janeiro. O primeiro contrato de aquisição de doses pediátricas junto à farmacêutica Pfizer prevê a entrega de até 20 milhões de doses até março.
A marca é a única que já recebeu autorização para uso de forma emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

fonte: Informe Baiano

Mais de 400 dependentes de álcool e drogas são atendidos no Caps AD de Lauro de Freitas

“O Caps mudou minha vida, me deu uma nova oportunidade de sonhar e lutar para realizar cada um dos meus sonhos junto com a minha família e meus amigos”. O relato emocionado é de Cláudio Manoel dos Santos*, 25 anos, que há cerca de três meses é acompanhado pela equipe multidisciplinar composta por médicos, terapeutas, assistentes sociais, farmacêuticos e técnicos do Centro de Atenção Psicossocial – Álcool e Drogas (Caps – AD), localizado no bairro do Caji, em Lauro de Freitas. Ele, através do cuidado e atendimento humanizado, conseguiu se afastar da dependência química.

Assim como ele, atualmente outras 472 pessoas são assistidas pelo equipamento. No local, que tem mais de 5 mil m² de área verde, piscina e espaço de convivência, são desenvolvidas oficinas de musicoterapia, artesanato, psicoterapia ou consultas com médicos psiquiatras e atividades físicas. “O Caps funciona de portas abertas, ou seja, pessoas com problemas relacionados a álcool e outras drogas são acolhidas e, de acordo com suas necessidades, são realizados os encaminhamentos”, explica a coordenadora da unidade, Leylane Andrade.

Enquanto aguardava sua vez para receber atendimento, Leia Silva*, relatou que sofre com a dependência do álcool desde a infância. “Eu era muito nova quando comecei a buscar na bebida o consolo que muitas vezes não encontrava em casa”, conta ela. A dona de casa lembra o momento exato em que decidiu transformar sua vida. “Eu acabei perdendo tudo, perdi emprego, casa, família e minha dignidade. Então uma amiga me chamou para vir até o Caps e buscar ajuda”, disse.

As histórias de superação se confundem em cada assistido que percorre as salas do Caps. O psiquiatra e especialista em dependência química, Rogério Jesus, relata que por conta da pandemia, nos últimos dois anos houve um crescimento em relação a necessidade de buscar atendimentos relacionados à saúde mental.

“As incertezas de diversas naturezas fazem aumentar o grau de ansiedade ou o medo do futuro incerto e quando isso não é devidamente tratado aumenta os sintomas de depressão. O indivíduo que sofre psiquicamente precisa buscar atendimento e ter imediata assistência”, frisou.

O CAPS-AD funciona de segunda a sexta-feira das 07h às 16h, na rua dos Prazeres, Caji. Os atendimentos são direcionados a crianças, adultos e idosos com transtornos decorrentes do uso e dependência de substâncias psicoativas. Para pacientes que queiram buscar o atendimento pela primeira vez, os dias de acolhimento são: segundas, terças, quartas ou sextas. Mais informações pelos números 3288-7407 ou 3288-7306.

Janeiro Branco

“Não há saúde sem saúde mental”, a frase de conscientização utilizada pela Organização Mundial de Saúde recebe o reforço com a campanha mundial Janeiro Branco. Em Lauro de Freitas, durante o primeiro mês do ano, o tema é abordado nas salas de espera das Unidades de Saúde da Família e das três unidades do Caps – Caps AD, Infantil e Caps Eduardo Alves de Araújo.

O médico explica que muitos fatores podem colocar a saúde mental do indivíduo em risco, entre eles estão a violência, situações de violação de direitos humanos, mudanças sociais rápidas, estresse no ambiente de trabalho e discriminação.

“Tratar o tema saúde mental é fundamental e deve ser feito durante todo o ano. Essa abordagem pontual em janeiro chega para que vejamos que é preciso discutir e não há como imaginar que este indivíduo possa ficar sem algum tipo de atendimento ou assistência”, alertou.

fonte: Prefeitura de Lauro de Freitas

Casos do superfungo Candida auris já foram confirmados na Bahia e Pernambuco

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu a confirmação do segundo caso de Candida auris no país. O “superfungo” foi detectado em um paciente de um hospital em Pernambuco. É o segundo caso confirmado no hospital. Os dois pacientes, um homem de 38 anos e uma mulher de 70 anos, foram isolados no início do mês. No dia 3 de janeiro, a Anvisa foi notificada sobre os casos possíveis de Candida auris, agora confirmados.

De acordo com a Anvisa, o hospital onde os pacientes estão internados estabeleceu medidas de precaução e adotou ações para conter o surto. Além disso, a agência destacou que órgãos de saúde pública foram acionados e ações de vigilância, prevenção e controle foram intensificados.
A Anvisa trata o caso como o terceiro surto do superfungo no país. Segundo a agência, a definição epidemiológica de surto abrange não apenas uma grande quantidade de casos de doenças contagiosas ou de ordem sanitária, mas também o surgimento de um microrganismo novo na epidemiologia de um país ou até de um serviço de saúde. A agência destacou que o fungo significa uma ameaça à saúde global.
Candida Auris
O organismo é chamado de superfungo pela resistência que possui a antibióticos e outras formas de tratamento. De acordo com a Anvisa, o fungo também permanece no ambiente por longos períodos, que podem chegar a meses, e resiste a diversos tipos de desinfetantes.
Por essas razões, casos de infecções pelo fungo trazem risco de surto e demandam monitoramento e medidas de prevenção e controle para impedir a disseminação em outros pacientes.
Conforme nota de alerta da agência, o Candida auris “pode causar infecção na corrente sanguínea e outras infecções invasivas, podendo ser fatal, principalmente em pacientes imunodeprimidos ou com comorbidades”.
Em outubro de 2016, a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) publicou um alerta epidemiológico em função dos relatos de surtos de Candida auris em serviços de saúde da América Latina, recomendando aos Estados-membros a adoção de medidas de prevenção e controle de surtos decorrentes deste patógeno.
No Brasil, o primeiro caso foi registrado em dezembro de 2020 na Bahia. O caso culminou em um surto com 15 casos, resultando em duas mortes. Já em dezembro de 2021, a Anvisa foi notificada de outro caso, também na Bahia, caracterizando o segundo surto.

fonte: Informe Baiano

ABR explica como funcionará a vacinação de crianças contra covid-19

A imunização de crianças de 5 a 11 anos será feita por faixa etária, com prioridade para os que têm comorbidades ou sejam portadores de deficiência permanente.

De acordo com a atualização do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO), do Ministério da Saúde, o intervalo entre as duas doses deve ser de oito semanas. Os pais devem estar presentes na imunização dos filhos e se isso não for possível, a aplicação deve ser autorizada em termo de consentimento assinado por eles.

Segundo o ministério, as doses serão distribuídas de forma proporcional aos estados e ao Distrito Federal, de acordo com a população-alvo. As doses começam a ir para os estados amanhã (14). Até o início da próxima semana, as entregas do primeiro lote de 1,2 milhão de doses, que chegou na madrugada de hoje (13) ao Brasil, devem estar concluídas.

Cada estado vai divulgar a data de início da vacinação. Cabe às secretarias estaduais de Saúde a distribuição das doses para os municípios. Como cada região tem realidade logística diferente, a definição do cronograma fica por conta dos gestores estaduais e municipais.

Recomendações
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou, no início do mês, uma série de recomendações sobre a vacinação infantil. A agência sugere que a imunização ocorra em sala separada da de adultos e que a vacina não seja administrada no mesmo período de outras do calendário. Por precaução, é recomendado intervalo de 15 dias.

A Anvisa também recomenda que seja evitada a vacinação de crianças no esquema drive-thru (dentro do carro); que elas fiquem em observação no local por 20 minutos após receber a dose; e que os profissionais de saúde informem os pais sobre possíveis efeitos adversos do imunizante, como dor, inchaço no local da aplicação e febre.

O governo brasileiro encomendou 20 milhões de doses de vacina, todas da farmacêutica Pfizer. A dose para crianças será diferente da aplicada em pessoas a partir de 12 anos. Os frascos terão cores distintas para evitar erros na aplicação. A embalagem do imunizante para crianças tem a cor laranja e para adultos, roxa.

fonte : Informe Baiano

Bahia passa a exigir comprovante de vacinação para conter o número de casos de Covid

A Bahia passou a exigir comprovante de vacinação em bares e restaurantes e também reduziu público em eventos para conter o número de casos.

Filas em pontos de testagem para Covid em Salvador. Espera também para atendimento nos postos de saúde da capital baiana, que vive um surto de gripe e aumento expressivo dos casos de Covid.

Pelo menos nove agências bancárias estão fechadas porque os funcionários estão com a doença e precisam ser isolados. Afastamento também de profissionais de saúde que atuam no município: são mais de 2 mil em licença médica.

Um decreto publicado pelo governo da Bahia essa semana reduz de 5 mil para 3 mil a presença de público em eventos no estado. É necessário apresentar comprovante de vacina, que passa a ser exigido ainda em bares, restaurantes e locais como parques públicos estaduais.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Nos primeiros dez dias do ano, a Bahia registrou um aumento de 800% em casos de Covid, a maioria em Salvador. Para tentar frear o vírus e impedir que casos graves sobrecarreguem os hospitais, a prefeitura da capital baiana começou uma mega operação de vacinação, ampliando o número de postos e estendendo o horário de atendimento para garantir mais gente vacinada ou com dose de reforço.

“Nós temos 1,4 milhão de pessoas que hoje ainda não voltaram para tomar a segunda dose. Um milhão que não voltou para tomar a dose de reforço e um grande número de pessoas que não tomou dose alguma”, diz o governador da Bahia, Rui Costa, do PT.

A fotógrafa Magali Moraes enfrenta a doença pela segunda vez. Vacinada com as duas doses, ela está em casa, com sintomas mais leves do que na primeira infecção.

“A vacina traz essa tranquilidade, de saber que estou vacinada e que, provavelmente, a chance de ser um quadro mais grave é muito pequena”, diz Magali.

fonte Jornal Nacional

Paciente recebe coração de porco geneticamente modificado nos EUA

Nos Estados Unidos, pela primeira vez na história, médicos transplantaram um coração geneticamente modificado de porco para um homem.

Tudo na sala de cirurgia parecia como de costume para um transplante de coração. O médico responsável explicou que o órgão do doador parecia perfeito, com bom tamanho, e que a retirada do órgão foi de rotina.

Mas, desculpa, doutor, não sei se rotina é a palavra mais adequada. O coração pronto para ser transplantado não é um coração humano. É um coração de um porco. É uma imagem histórica: depois de oito horas de cirurgia, o coração do porco batendo dentro do peito de um homem.

O paciente que recebeu o transplante é David Bennet, de 57 anos. Ele tinha uma doença cardíaca terminal e, antes da cirurgia, disse que as opções dele eram morrer ou fazer o transplante, e ele queria viver.

A cirurgia inédita e revolucionária foi na sexta-feira (7) e, quatro dias depois, David está bem. De acordo com o médico, ele está acordado, conversando, e a equipe espera que a recuperação continue.

Mas isso não quer dizer que o desafio tenha terminado. Aliás, os médicos estão preparados para momentos difíceis. Isso porque, apesar do coração de um porco ser parecido com o de um humano – eles têm até o mesmo tamanho -, as outras tentativas falharam porque as diferenças genéticas fizeram o corpo rejeitar o coração.

Para evitar isso, o animal que foi o doador de David foi modificado geneticamente. Os cientistas retiraram do coração do porco três genes ligados à rejeição e inseriram seis genes humanos para facilitar a aceitação do corpo de David ao novo órgão.

O médico explica que a pior fase já passou e que não houve rejeição, mas que o nosso organismo é uma máquina que não se deixa enganar tão facilmente, e os médicos estão preparados para mais um possível ataque do corpo de David ao coração novo.

“Diferentes jogadores imunológicos podem tentar eliminá-lo, e nós projetamos um plano de tratamento além do coração humanizado e geneticamente editado para tentar controlar isso”, explica o cirurgião.

Saber o resultado dessa jornada médica pode demorar semanas, meses. Mas, se tudo continuar caminhando bem, essa não vai ser apenas uma cirurgia experimental de sucesso. Vai ser uma esperança para milhares de pessoas. Só nos Estados Unidos, 6 mil pacientes morrem todos os anos na fila por um transplante. Nesta terça-feira (11), 110 mil pessoas estão esperando por um órgão.

E elas olham para o avanço científico como a chave que abre caminhos que pareciam sem saída. Esperam da ciência o que ela sempre nos deu: esperança, evolução, solução de problemas e, talvez, vidas salvas com o coração de um porco.

fonte: Jornal Nacional