Rádio Panorama FM 87,9

LATEST NEWS

Auxílio gás começa a ser pago a 5,5 milhões de famílias

Nesta terça-feira (18), 5,5 milhões de famílias começaram a receber o auxílio gás.

Em Mato Grosso, o botijão de 13 kg pode custar até R$ 140. É o mais caro do país. Mas em pelo menos 20 estados ele está acima de R$ 100, segundo a ANP, a Agência Nacional do Petróleo.

Em Brasília, Dona Maria e o marido estão desempregados. Ela vai receber o auxílio gás, mas, enquanto não chega, a situação é difícil.

“Eu já peguei emprestado da dona da casa onde eu moro, para poder comprar o gás. Ela me emprestou R$ 105”, conta Maria Eliete.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Em 2021, a inflação ficou em 10%, mas o preço do botijão subiu muito mais – quase 37%. Economistas lembram que o gás de cozinha é um dos itens que mais pesa hoje no orçamento doméstico das famílias de baixa renda.

“Para essas famílias menos favorecidas em termos de renda, isso faz uma diferença enorme no orçamento delas. Na cesta de bens dessas famílias, na cesta básica, vamos chamar assim, o gás é um serviço nessa cesta que tem peso muito relevante”, afirma Mauro Rochlin, professor de economia da FGV.

O auxílio gás de R$ 52 será liberado a cada dois meses para 5,5 milhões de famílias inscritas no Cadastro Único do governo federal, que tenham renda familiar mensal de até meio salário mínimo por pessoa – hoje R$ 606. Também têm direito famílias com algum integrante registrado no Benefício de Prestação Continuada.

Não é necessário realizar cadastro. O valor vai ser liberado automaticamente em conta digital ou bancária. Para famílias sem essas contas, vai ser aberta uma poupança social digital da Caixa Econômica.

Os pagamentos começam nesta terça-feira (18) e seguem até o dia 31 de janeiro, de acordo com o número final do NIS, o Número de Identificação Social.

Só 5 estados vão pedir comprovante de vacinação nas escolas

Apenas cinco estados brasileiros decidiram pedir aos estudantes a apresentação de comprovante de vacina contra a Covid-19 para o retorno das aulas presenciais em fevereiro. Quem não tiver o documento, não será impedido de frequentar a escola, mas os pais e responsáveis terão que apresentar justificativa por não ter vacinado a criança ou adolescente.
Especialistas ouvidos pela reportagem entendem ser obrigação da escola exigir a apresentação do comprovante de vacinação, tanto para identificar quem e quantos estudantes não foram vacinados como para encaminhar os casos às equipes de saúde e assistência social. Para eles, as redes de ensino podem ser acusadas de omissão ao não pedir a comprovação.
Bahia, Ceará, Pará, Paraíba e Piauí são os únicos que decidiram solicitar o cartão de vacinação aos estudantes com mais de 12 anos. Como a imunização das crianças de 5 a 11 anos só teve início na sexta-feira (14), o documento ainda não vai ser exigido para elas.
Para os especialistas, a Constituição é clara ao definir que saúde e vacina são direitos da criança e do adolescente e é dever da família, da sociedade e do Estado garanti-los.
“A Constituição diz ser obrigação da família, da sociedade e do Estado preservar a vida e saúde das crianças. Se os órgãos competentes dizem que a vacinação é segura e eficaz, a família é obrigada a garantir a vacinação, e a sociedade, o que abarca a escola e o poder público, deve verificar se isso está ocorrendo, sob o risco de ser omissa”, diz Roberto Dias, professor de direito constitucional da FGV-SP.
As secretarias de educação que decidiram não solicitar o comprovante dizem que não podem impedir as crianças de serem matriculadas ou frequentarem as aulas caso não estejam vacinadas. No entanto, exigir o documento não significa impedir o acesso à escola, mas identificar os casos de não imunizados para conscientizar as famílias.
É o caso do Piauí. A Secretaria de Estado da Educação está elaborando com o Ministério Público um plano de ação para os casos que forem identificados de crianças e adolescentes que não foram vacinados contra a Covid. Na Paraíba, os pais e responsáveis que não vacinaram os filhos receberão visitas de equipes de saúde e do conselho tutelar.
“É claro que a escola não deve impedir a criança de estudar, porque seria uma dupla punição a esse estudante. Mas é obrigação da escola, e consequentemente das redes de ensino e autoridades, identificar quais crianças estão nessa condição, por qual motivo e agir para que tenham o direito assegurado”, diz o advogado Ariel de Castro Alves, integrante do Instituto dos Direitos da Criança e do Adolescente.
Para os especialistas, as tentativas do presidente Jair Bolsonaro (PL) de pôr em dúvida a segurança da vacinação nas crianças deram margem para que uma minoria da população passasse a questionar o direito dos pais de não imunizar seus filhos.
Pesquisa do Datafolha mostrou que a vacinação contra Covid para crianças tem o apoio de 79% da população brasileira com 16 anos ou mais. Os que a rejeitam são 17%, e os que não souberam opinar somam 4%.
“O presidente reacendeu a polêmica com a vacinação sobre as crianças, mas o entendimento em relação à imunização já está superado. Nessa situação, o interesse social se sobrepõe ao interesse individual. Os pais que não vacinarem seus filhos estão infringindo a Constituição e o ECA [Estatuto da Criança e do Adolescente]”, diz Nina Ranieri, professora da Faculdade de Direito da USP.
O ECA prevê ser obrigatória a vacinação das crianças e adolescentes nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias, o que se aplica à vacina contra a Covid. Em dezembro, a Anvisa aprovou o uso do imunizante da Pfizer para a faixa de 5 a 11 anos e recomendou a aplicação, já que os estudos indicaram uma eficácia de 90% nesse público.
Pais e responsáveis que não vacinarem seus filhos podem ser multados e até perder a guarda, caso descumpram a determinação repetidamente.
Além da previsão legal, os especialistas citam decisões recentes do Supremo Tribunal Federal (STF) que garantiram jurisprudência para decisões mais protetivas. Em dezembro de 2020, pais veganos foram parar na Justiça após pleitearem o direito de não vacinar os filhos por considerarem o procedimento invasivo. Eles recorreram da decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, que determinou a vacinação.
Leia mais: 
Leitos UTI adulto na Bahia têm 65% de ocupaçãoBahia atinge 10.980 casos ativos de Covid-19Portugal bate recorde de mortes e tem explosão de casos

No STF, perderam por unanimidade
Ranieri cita ainda a decisão do STF, também de dezembro de 2020, que liberou União, estados e municípios para aprovar leis que restringem direitos das pessoas que não quiserem se vacinar.
“Não existe vacinação à força, mas estão liberados instrumentos que induzam as pessoas a se vacinarem. O mesmo vale em relação às crianças, por isso, as escolas podem sim exigir o comprovante como condição ao retorno presencial”, diz a professora.
Ainda que tenha defendido a vacinação de crianças, o governador João Doria (PSDB) decidiu que não irá exigir o documento nas escolas do estado, sejam estaduais ou particulares. Segundo a Secretaria de Educação paulista, há apenas uma recomendação para que as unidades da rede estadual peçam o comprovante aos estudantes.
A Prefeitura de São Paulo determinou que as escolas municipais devem solicitar a carteirinha de vacinação e o comprovante de vacina contra a Covid no ato da matrícula ou rematrícula dos alunos. A regra, no entanto, não vale para as particulares.
Sem uma determinação do estado, diretores de colégios particulares relataram à reportagem que se sentem desamparados juridicamente para exigir o documento de seus alunos. Eles dizem já ter recebido informações de pais que pretendem não vacinar os filhos e não sabem como proceder nesses casos.
Os especialistas dizem, no entanto, que mesmo sem uma regra municipal ou estadual para amparar os colégios, eles estão assegurados pela legislação nacional e decisões anteriores do STF.
“Pode não haver uma lei específica em relação à vacinação da Covid, mas elas estão amparadas constitucionalmente. Vou além e digo que as escolas se protegem mais ao exigir o comprovante do que não fazendo, porque elas estão assegurando a saúde de seus profissionais e alunos”, diz Dias.
*
Veja o que está previsto na Constituição e no ECA
O que diz a Constituição
Art. 196º. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.
Art. 227º. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.
O que diz o ECA
Art. 5º. Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais.
Art. 6º. Na interpretação desta Lei levar-se-ão em conta os fins sociais a que ela se dirige, as exigências do bem comum, os direitos e deveres individuais e coletivos, e a condição peculiar da criança e do adolescente como pessoas em desenvolvimento.
Art. 14.
§ 1º É obrigatória a vacinação das crianças nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias.

fonte: Bocão News

Crianças quilombolas são vacinadas contra a Covid-19 em Lauro de Freitas


Ao som do Trem da Alegria, as crianças do Quilombo Quingoma em Lauro de Freitas, com idade entre cinco e 11 anos, receberam, nesta segunda-feira (17), a 1ª dose da vacina que protege contra a Covid-19. Palhaços e bolas coloridas enfeitaram a sede do Rotary Clube e deram o tom lúdico de descontração para espantar o medo da agulha e encorajar os pequenos heróis a se imunizarem contra a doença.

A prefeita Moema Gramacho acompanhou o processo de perto. Atenciosa, a gestora conversou com os pais e acalentou as crianças. “Nós estamos seguindo a orientação do Ministério da Saúde e vacinando os pequenos de acordo com as prioridades. Ontem foram imunizadas crianças de 11 anos com comorbidades, temos quilombolas e ainda os indígenas. Seguiremos estes critérios e por idade de forma decrescente”, explicou.

Dona Mirian Silva chegou cedo ao local de vacinação. A dona de casa é mãe de Mariana Santos, de 11 anos, e Davi Santos, de 9 anos. “Esse momento foi muito esperado por nós. Eu temia muito pela vida de meus filhos, já que estou vacinada e eles ainda não estavam. Agora me sinto mais aliviada”, contou.

Sensação semelhante teve Nivaldo Reis, ele conta que no começo tinha medo da vacina, mas percebeu a eficácia com a redução das mortes pela Covid-19. “A vacina é segura e salva vidas, hoje trouxe meus filhos porque confio na ciência”, falou ele que é pai de Poliana da Silva de 10 anos.

Atencioso com todos que aguardavam para vacinar seus filhos, o secretário municipal de Saúde, Augusto César Pereira, falou sobre a importância de todas as crianças serem protegidas. “Hoje, Lauro de Freitas tem 173 mil pessoas acima de 12 anos vacinadas com, pelo menos, a 1ª dose. É importante continuarmos nossa luta e vacinarmos nossas crianças só deste modo venceremos o coronavírus”, frisou.



Estratégia para vacinar as crianças é especial

Lauro de Freitas segue à risca as recomendações para imunizar os pequenos de cinco a onze anos com segurança. Para isso, o município separou as salas de vacinação destinando locais específicos para proteger os pequenos das aglomerações que podem levar a maior facilidade de contaminação pelo coronavírus.

Após receber a dose que protege contra a doença, os pequenos permanecem no espaço por vinte minutos em observação. A técnica de enfermagem, Sheila Andrade, explica que o protocolo de segurança tem o objetivo de garantir o bem-estar dos pequenos. “Além disso, nós temos um cuidado especial no trato com os miudinhos. Se eles estão assustados nós brincamos, oferecemos um pirulito para acalmar e só então fazemos a vacina. Tudo é feito com muita humanização e amor”, destaca ela informando que dois médicos clínicos ficam dispostos no local para qualquer eventualidade.

Vacinação infantil desta terça-feira (18)

As doses pediátricas da Pfizer continuam sendo aplicadas em Lauro de Freitas nesta terça-feira (18), para crianças de 11 anos sem comorbidades, com nomes iniciados nas letras de A a M, e para crianças com comorbidades de cinco a 11 anos, ambos cadastrados no site da Prefeitura Municipal. A vacinação infantil será realizada na faculdade Unime, das 8h às 12h.

Para receber a proteção, pais ou responsáveis legais devem apresentar formulário de autorização para vacinação de crianças, identificação com foto, CPF ou cartão do SUS, comprovante de residência e identificação com foto do responsável. O formulário pode ser acessado e impresso pelo site da prefeitura pelo endereço: www.laurodefreitas.ba.gov.br.


fonte: Prefeitura de Lauro de Freitas

Lauro de Freitas terá novo CEEPTIC e escolas de ensino médio

Até o final deste ano, Lauro de Freitas terá um novo Centro Estadual de Educação Profissional em Tecnologia, Informação e Comunicação (CEEPTIC) e duas escolas de nível médio. A informação foi confirmada na manhã desta segunda-feira (17) pelo secretário de Educação do Estado da Bahia (SEC), Jerônimo Rodrigues, em reunião com a prefeita Moema Gramacho no gabinete da SEC, localizado no Centro Administrativo da Bahia (CAB).

De acordo com o projeto, o novo CEEPTIC deve ser instalado em prédios públicos já existentes no município. Moema explica que a unidade será ampliada e passará a contar com refeitório, campo society, piscina, quadra poliesportiva e espaço mais cultura. “Será uma escola nova e muito mais moderna. Ainda há no projeto a inclusão de uma biblioteca que deve ser construída próxima ao equipamento”, informou.

Acompanhada da secretária municipal de Educação, Vânia Galvão, e do secretário de Infraestrutura, Roque Fagundes, a prefeita tratou também sobre a ampliação da escola estadual Bartolomeu de Gusmão e o remanejamento do Terminal Rodoviário do final de linha do Centro para outro local, próximo da escola.

Outra novidade para a educação de Lauro de Freitas é a implantação de uma nova escola para ensino médio em Portão, em substituição a Escola Estadual Kleber Pacheco, e a ampliação da escola Municipal Amauri Montalvão, no Capiarara, com mais seis salas de aula, para atender estudantes do nível médio nos períodos diurno e noturno.

 

fonte: Prefeitura de Lauro de Freitas

CV contra CV: integrantes da mesma facção em guerra matam jovens no IAPI

Um rapaz foi morto no início da tarde desta segunda-feira (17/01), no bairro do IAPI, em Salvador. O crime aconteceu por volta das 12h, na localidade do Brongo.


De acordo com um morador em contato com o Informe Baiano, a vítima foi realizar uma compra em um mercadinho quando acabou sequestrada por traficantes e atingida por mais de 30 tiros. O jovem, que aparentava ter menos de 21 anos, morreu no local.
“Tiraram fotos dele antes de morrer, torturaram e depois mataram. Tá uma guerra entre o tal do ‘Macaco’ que é o dono do ‘Murão’ e ‘Seu Pena’ da ‘Floresta’. Os dois são do Comando Vermelho e agora o negócio tá daquele jeito. Tiros todos os dias”, relatou a fonte.
“Na segunda passada teve outra morte. Só que foi ao contrário. Os caras do ‘Murão’ invadiram a ‘Floresta’ de tarde e mataram um novato. Aí agora foram os caras da ‘Floresta’ que viram o cara do ‘Murão’ no ‘Brongo’ e fizeram essa covardia”, explicou o morador.
O caso deverá ser investigada pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).
Nota da Polícia Militar
“De acordo com informações da 37ª CIPM, por volta de 11h50 desta segunda-feira (17), o Cicom informou disparos de arma de fogo na localidade conhecida como Brongo, no bairro do IAPI. No local, as guarnições encontraram um homem ao solo e sem sinais vitais. Os policiais isolaram a área e acionaram o Departamento de Polícia Técnica (DPT) para remoção do corpo e realização da perícia. A Polícia Civil investiga o caso”.

fonte: informe biano

Saúde antecipa entrega de terceiro lote de vacinas pediátricas

O Ministério da Saúde divulgou nesta segunda-feira (17) que antecipou a data da chegada do terceiro lote das vacinas pediátricas. Inicialmente os imunizantes da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos estavam previstos para chegar no dia 27, mas a data da chegada foi antecipada para o dia 24 de janeiro.

Esta será a terceira entrega de vacinas pediátricas neste mês. As duas primeiras remessas totalizaram 2,4 milhões de doses e, segundo o ministério, estão em processo de distribuição para os estados e para o Distrito Federal.
O lote mais recente, com 1,2 milhão de doses, chegou no Brasil nesse domingo (16). Após a chegada, as doses são encaminhadas para o centro de distribuição do Ministério da Saúde em Guarulhos (SP) e enviados para os estados, que repassam aos municípios. A expectativa é que esse lote seja distribuído até quarta-feira (19) para as unidades da Federação. A primeira remessa chegou no dia 13 de janeiro.
A previsão da pasta é que o Brasil receba 4,3 milhões de doses em janeiro. O primeiro contrato de aquisição de doses pediátricas junto à farmacêutica Pfizer prevê a entrega de até 20 milhões de doses até março.
A marca é a única que já recebeu autorização para uso de forma emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

fonte: Informe Baiano

Mais de 400 dependentes de álcool e drogas são atendidos no Caps AD de Lauro de Freitas

“O Caps mudou minha vida, me deu uma nova oportunidade de sonhar e lutar para realizar cada um dos meus sonhos junto com a minha família e meus amigos”. O relato emocionado é de Cláudio Manoel dos Santos*, 25 anos, que há cerca de três meses é acompanhado pela equipe multidisciplinar composta por médicos, terapeutas, assistentes sociais, farmacêuticos e técnicos do Centro de Atenção Psicossocial – Álcool e Drogas (Caps – AD), localizado no bairro do Caji, em Lauro de Freitas. Ele, através do cuidado e atendimento humanizado, conseguiu se afastar da dependência química.

Assim como ele, atualmente outras 472 pessoas são assistidas pelo equipamento. No local, que tem mais de 5 mil m² de área verde, piscina e espaço de convivência, são desenvolvidas oficinas de musicoterapia, artesanato, psicoterapia ou consultas com médicos psiquiatras e atividades físicas. “O Caps funciona de portas abertas, ou seja, pessoas com problemas relacionados a álcool e outras drogas são acolhidas e, de acordo com suas necessidades, são realizados os encaminhamentos”, explica a coordenadora da unidade, Leylane Andrade.

Enquanto aguardava sua vez para receber atendimento, Leia Silva*, relatou que sofre com a dependência do álcool desde a infância. “Eu era muito nova quando comecei a buscar na bebida o consolo que muitas vezes não encontrava em casa”, conta ela. A dona de casa lembra o momento exato em que decidiu transformar sua vida. “Eu acabei perdendo tudo, perdi emprego, casa, família e minha dignidade. Então uma amiga me chamou para vir até o Caps e buscar ajuda”, disse.

As histórias de superação se confundem em cada assistido que percorre as salas do Caps. O psiquiatra e especialista em dependência química, Rogério Jesus, relata que por conta da pandemia, nos últimos dois anos houve um crescimento em relação a necessidade de buscar atendimentos relacionados à saúde mental.

“As incertezas de diversas naturezas fazem aumentar o grau de ansiedade ou o medo do futuro incerto e quando isso não é devidamente tratado aumenta os sintomas de depressão. O indivíduo que sofre psiquicamente precisa buscar atendimento e ter imediata assistência”, frisou.

O CAPS-AD funciona de segunda a sexta-feira das 07h às 16h, na rua dos Prazeres, Caji. Os atendimentos são direcionados a crianças, adultos e idosos com transtornos decorrentes do uso e dependência de substâncias psicoativas. Para pacientes que queiram buscar o atendimento pela primeira vez, os dias de acolhimento são: segundas, terças, quartas ou sextas. Mais informações pelos números 3288-7407 ou 3288-7306.

Janeiro Branco

“Não há saúde sem saúde mental”, a frase de conscientização utilizada pela Organização Mundial de Saúde recebe o reforço com a campanha mundial Janeiro Branco. Em Lauro de Freitas, durante o primeiro mês do ano, o tema é abordado nas salas de espera das Unidades de Saúde da Família e das três unidades do Caps – Caps AD, Infantil e Caps Eduardo Alves de Araújo.

O médico explica que muitos fatores podem colocar a saúde mental do indivíduo em risco, entre eles estão a violência, situações de violação de direitos humanos, mudanças sociais rápidas, estresse no ambiente de trabalho e discriminação.

“Tratar o tema saúde mental é fundamental e deve ser feito durante todo o ano. Essa abordagem pontual em janeiro chega para que vejamos que é preciso discutir e não há como imaginar que este indivíduo possa ficar sem algum tipo de atendimento ou assistência”, alertou.

fonte: Prefeitura de Lauro de Freitas

Três mortos no IAPI pela Rondesp

A Operação Força Total da Polícia Militar foi verificar, na tarde de quinta-feira (13/01), uma denúncia que apontava um grupo de traficantes fortemente armados, no bairro do IAPI, em Salvador. A ocorrência foi por volta das 15h30, na localidade da Nova Divinéia.

Conforme a fonte do Informe Baiano, ao chegar no local, uma guarnição da Rondesp BTS foi recebida a tiros e houve intenso confronto. Três homens acabaram feridos e foram socorridos ao Hospital Ernesto Simões Filho, onde morreram.
Foram apreendidas uma submetralhadora calibre 9mm, duas pistolas calibre 9 mm, 50 trouxas de maconha, 80 pedras de crack e a quantia de R$ 47,00 em espécie. A ocorrência foi registrada na Corregedoria da PM.

fonte: Informe baiano

Governo da Bahia diz que EUA preparam nova ajuda humanitária no valor de U$ 40 mil para vítimas das enchentes no estado

Rui Costa, se reuniu por videoconferência, com encarregado de negócios da Embaixada dos EUA no Brasil e representante da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional, após doação de R$ 750 mil.

O governo da Bahia anunciou na noite desta quinta-feira (13) que os Estados Unidos preparam uma nova ajuda humanitária no valor de U$ 40 mil para as vítimas das enchentes que atingiram o estado, principalmente as região sul e extremo sul.

O governador do estado, Rui Costa, se reuniu por videoconferência, na tarde desta quinta, com o encarregado de negócios da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, Douglas Koneff, e o representante da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), além de membros da Cáritas Brasileira e da Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA).

Governo da Bahia diz que Estados Unidos preparam nova ajuda humanitária no valor de U$ 40 mil para vítimas das enchentes no estado — Foto: Divulgação / Governo da Bahia

Governo da Bahia diz que Estados Unidos preparam nova ajuda humanitária no valor de U$ 40 mil para vítimas das enchentes no estado — Foto: Divulgação / Governo da Bahia

fonte: G1

Casos do superfungo Candida auris já foram confirmados na Bahia e Pernambuco

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu a confirmação do segundo caso de Candida auris no país. O “superfungo” foi detectado em um paciente de um hospital em Pernambuco. É o segundo caso confirmado no hospital. Os dois pacientes, um homem de 38 anos e uma mulher de 70 anos, foram isolados no início do mês. No dia 3 de janeiro, a Anvisa foi notificada sobre os casos possíveis de Candida auris, agora confirmados.

De acordo com a Anvisa, o hospital onde os pacientes estão internados estabeleceu medidas de precaução e adotou ações para conter o surto. Além disso, a agência destacou que órgãos de saúde pública foram acionados e ações de vigilância, prevenção e controle foram intensificados.
A Anvisa trata o caso como o terceiro surto do superfungo no país. Segundo a agência, a definição epidemiológica de surto abrange não apenas uma grande quantidade de casos de doenças contagiosas ou de ordem sanitária, mas também o surgimento de um microrganismo novo na epidemiologia de um país ou até de um serviço de saúde. A agência destacou que o fungo significa uma ameaça à saúde global.
Candida Auris
O organismo é chamado de superfungo pela resistência que possui a antibióticos e outras formas de tratamento. De acordo com a Anvisa, o fungo também permanece no ambiente por longos períodos, que podem chegar a meses, e resiste a diversos tipos de desinfetantes.
Por essas razões, casos de infecções pelo fungo trazem risco de surto e demandam monitoramento e medidas de prevenção e controle para impedir a disseminação em outros pacientes.
Conforme nota de alerta da agência, o Candida auris “pode causar infecção na corrente sanguínea e outras infecções invasivas, podendo ser fatal, principalmente em pacientes imunodeprimidos ou com comorbidades”.
Em outubro de 2016, a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) publicou um alerta epidemiológico em função dos relatos de surtos de Candida auris em serviços de saúde da América Latina, recomendando aos Estados-membros a adoção de medidas de prevenção e controle de surtos decorrentes deste patógeno.
No Brasil, o primeiro caso foi registrado em dezembro de 2020 na Bahia. O caso culminou em um surto com 15 casos, resultando em duas mortes. Já em dezembro de 2021, a Anvisa foi notificada de outro caso, também na Bahia, caracterizando o segundo surto.

fonte: Informe Baiano