Rádio Panorama FM 87,9

LATEST NEWS

Globo antecipa saída de Faustão e Leifert assume tardes de domingo

A Globo anunciou nesta quinta-feira, 17, que o canal optou, por “razões estratégicas e internas”, antecipar a saída de Fausto Silva da emissora, onde ele apresenta o Domingão do Faustão. Substituto do apresentador no último domingo, 13, por uma emergência médica de Faustão, Tiago Leifert vai comandar as tardes de domingo da emissora até o lançamento do novo projeto com Luciano Huck.


No domingo passado, Leifert assumiu o microfone do Domingão já que Fausto Silva havia sido internado no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, com uma infecção urinária. O apresentador do Big Brother Brasil conquistou elogios por sua atuação no tradicional palco do programa e ainda ficou à frente na audiência contra o concorrente SBT, que transmitiu no mesmo horário a Copa América.

Ministério da Saúde antecipa 7 milhões de doses da vacina da Pfizer

O Ministério da Saúde divulgou, nesta quarta-feira (16), que vai antecipar mais 7 milhões de doses da vacina contra Covid-19 da fabricante Pfizer. A entrega do imunizante está prevista para julho, em um lote com 15 milhões de unidades.
“A previsão inicial era de 8 milhões de doses. Após conversas com a farmacêutica, o Brasil vai receber 15 milhões de doses no próximo mês”, afirmou o ministro Marcelo Queiroga.
A pasta afirma que 200 milhões de doses da Pfizer terão sido entregues no Brasil até o fim deste ano.

Polícia desmente boatos e diz que suspeito de chacina no DF continua vivo

Após circular nas redes sociais boatos da morte do baiano Lázaro Barbosa, apontado como autor da chacina no Distrito Federal, as polícias Civil e Militar do DF e de Goiás desmentiram a informação. 
A notícia era de que Lázaro, de 32 anos, havia morrido na noite desta quarta-feira (16), em troca de tiros com agentes das forças de segurança. 
“Lázaro ainda não foi encontrado. Permanece vivo e foragido da polícia. Todos os nossos esforços estão voltados, neste momento, para capturá-lo”, explicou o delegado-geral da Polícia Civil do DF, Robson Cândido.

Caso Bruno e Yan: alvará de funcionamento do Atakarejo pode ser cassado com base no Estatuto da Igualdade

A cassação do alvará de funcionamento do Atacadão Atakarejo foi pautada pelo presidente da Comissão de Reparação da Câmara de Salvador, vereador Luiz Carlos Suíca (PT). Nesta quarta-feira (16/06), durante audiência conjunta com a Comissão de Direitos Humanos da Casa, o edil petista se revoltou com mais uma falta do empresário fundador da rede Atakarejo, Teobaldo Costa, e com o fato da empresa não enviar representante legal para tratar sobre o caso. O brutal assassinato de dois jovens no Nordeste de Amaralina, após serem entregues a traficantes da localidade supostamente furtando carne no supermercado da região segue sem solução. A falta voltou a causar revolta dos familiares, amigos e ativistas do movimento negro do estado.


Suíca embasou seu pedido de cassação do alvará no artigo 62 do Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa. Para o edil petista, cabe punição e o estatuto apresenta essa previsão. “O racismo pode ser tipificado como crime penal. Como disse a ministra Cármen Lúcia, ‘a singularidade de cada ser humano não é pretexto para a desigualdade de dignidades e direitos, e a discriminação contra uma pessoa atinge igualmente toda a sociedade’. Embora o estatuto tenha dois anos esperando regulamentação, isso não pode ser justificativa para não o fazer ser cumprido. Embora aguardemos ansiosos o desfecho da investigação criminal, a prefeitura deve usar do seu poder de polícia e punir os culpados administrativamente”, explica Suíca.
Para o edil é dever da prefeitura punir o estabelecimento que praticar crime de racismo. “Independente da ação dos outros poderes e entes da Federação, a prefeitura de Salvador penalizará, dentro dos limites constitucionais da sua competência, todo estabelecimento comercial, industrial, entidades, representações, associações, sociedades civis ou de prestações de serviços que, por atos de seus proprietários ou prepostos, discriminem a pessoa em razão de sua cor ou etnia”, aponta o artigo citado por Suíca. As comissões da Câmara apuram a responsabilidade pelas mortes dos jovens Bruno Barros da Silva, de 29 anos, e Ian Barros da Silva, de 19 anos, tio e sobrinho, que foram encontrados mortos após serem entregues a traficantes por funcionários do Atakarejo.

Mais 936 mil doses da vacina da Pfizer chegam ao Brasil

Mais 936 mil doses da vacina Pfizer/BioNTech contra a covid-19 chegaram hoje (16) ao Brasil. O lote, que é o 13º enviado ao país, chegou por volta das 20h no Aeroporto de Viracopos, em Campinas, no interior paulista. Houve atraso de quase uma hora do voo que partiu de Miami, nos Estados Unidos.
A Pfizer entrega nesta semana 2,4 milhões de doses do imunizante em três remessas. Ontem (15) foram 530 mil doses, hoje mais 936 mil e o mesmo montante chegará nesta quinta-feira (17). 
Com as entregas desta quarta-feira, o número de vacinas disponibilizadas pela farmacêutica chega a 10,3 milhões. Os envios começaram em 29 de abril, com 1 milhão de doses.
O consórcio Pfizer/BioNTech fechou acordo com o governo brasileiro em março deste ano prevendo a aquisição de 100 milhões de doses. 
Em maio, um novo negócio previu mais 100 milhões de doses, a serem entregues entre outubro e dezembro.

Brasil adere a acordo dos EUA para exploração pacífica do espaço

O Brasil assinou hoje (15), em uma cerimônia no Palácio do Planalto, o acordo de adesão ao programa Artemis, liderado pelos Estados Unidos (EUA) e que planeja enviar a primeira mulher e a primeira pessoa negra à Lua em 2024.


Além da cooperação técnico-científica, o acordo traz um conjunto de princípios, diretrizes e boas práticas para a cooperação internacional na exploração do espaço, incluindo do território lunar.
Até o momento, o Brasil é o único país da América Latina a assinar o documento e o 12º do mundo. São signatários: Austrália, Canadá, Coreia do Sul, EUA, Itália, Japão, Luxemburgo, Emirados Árabes Unidos, Nova Zelândia, Reino Unido e Ucrânia.
Na cerimônia, o presidente Jair Bolsonaro disse que, além do objetivo de levar a primeira mulher à Lua, o acordo servirá para impulsionar o desenvolvimento tecnológico. Bolsonaro acrescentou que o acordo é mais um feito da diplomacia brasileira. Outro feito foi a eleição do Brasil, na última sexta-feira (11), para um dos assentos não permanentes no Conselho de Segurança da ONU, afirmou o presidente. “Isso é uma prova irrefutável do bom relacionamento que o Brasil tem com o mundo todo”, disse.
Em sua fala, o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, destacou ações recentes na área espacial, entre as quais o acordo firmado em 2019 entre Brasil e EUA para o uso militar e comercial da base de lançamentos de Alcântara, no Maranhão.
Pontes disse que, com isso, o programa espacial brasileiro deve se fortalecer e formar uma nova geração de especialistas. “Temos caminhos abertos para futuros cientistas, futuros engenheiros, futuros técnicos e futuros astronautas, por que não?”, disse o ministro.